7.14.2006

Voltei a acreditar em fadas

(Dizes-me) Shhh, não contes a ninguém.
E esticas o teu dedo indicador encostando-o aos meus lábios.
Não conto, Amor. Mas voltei a pensar em fadas. Em pós mágicos. Em sapatinhos de cristal.
(Dizes-me) Shhh, guarda-nos para ti.
E a minha boca reage aconchegando-se à tua.
Não conto, Amor. Mas voltei a acreditar em fadas. Em vestidos prateados. Em príncipes encantados.



(Digo-te) Shhh, não contes tu também a ninguém. E o teu corpo volta a procurar o meu. Não contes, Amor. Porque eu voltei a falar com fadas. Voltei a sonhar com castelos. Porque a vida é um conto de fadas e eu tenho medo de quebrar o encantamento.

21 Comments:

At sexta-feira, 14 julho, 2006, Blogger mole said...

Mas que grande reunião!!!!
(baixinho) Mas fica descansada, eu não conto a ninguém ;)

 
At sábado, 15 julho, 2006, Anonymous snark said...

'se me foi dado ver um pouco mais longe, foi pq pude subir aos ombros de alguns gigantes' Isaac Newton

é por esta razão q não tenho um blog. ao contrário desta nossa amiga, eu acabo sempre por subir aos ombros de alguns gigantes.


Aedh Wishes For The Clothes Of Heaven

Had I the heavens' embroidered cloths,
Enwrought with golden and silver light,
The blue and the dim and the dark cloths
Of night and light and the half light,
I would spread the cloths under your feet:
But I, being poor, have only my dreams;
I have spread my dreams under your feet;
Tread softly because you tread on my dreams.

William Butler Yeats

 
At sábado, 15 julho, 2006, Anonymous ..::verao azul::.. said...

eu tambem voltei.
o mais provavel e nunca ter deixado de acreditar.
obrigado por lembrares.
as vezes esquecemos se disso.
:D
great blog!
(assim da gosto)

 
At sábado, 15 julho, 2006, Blogger SerendipityMan said...

Sim, as fadas existem, o Pai Natal é que não. LOL! Bj.

 
At sábado, 15 julho, 2006, Anonymous Ricardo said...

O Amor está no ar!! Mt bonito...gostei...sorri...amei! Kiss

 
At sábado, 15 julho, 2006, Anonymous Italiano said...

Vile Valo: "Resurrection"

There was a time
When I could breath my life in you
One by one
Your pale fingers started to move
And I touched your face
And all life was erased
You smiled like an angel

We've been slaves to this love
From the moment we touched
And keep begging for more
Of this resurrection

You kissed my lips
With those once cold fingertips
You reached out for me
And oh how you missed
You touched my face
And all life was erased
You smiled like an angel


Bjs Zofia...

 
At domingo, 16 julho, 2006, Anonymous snark said...

detesto funerais. mas hoje fui a um. teve de ser.
por estas alturas lembro-me sempre do meu avô materno e do meu irmão mais velho.
não conheci nenhum dos dois.
só aquilo q a minha mãe me diz sobre eles: 'os preferidos de Deus morrem cedo'.
nem todos os caminhantes estão perdidos zofia. e uma acção conduz sempre a uma reacção.
como qd chegamos a uma bifurcação e temos de decidir pelo caminho da esquerda ou da direita.
não conhecemos nenhum deles mas temos de optar.
não sabemos qual o mais seguro ou mais facil. não sabemos onde vão dar.
mas temos de optar.
esperamos q o sol caia e naquele momento em q o sol se funde com o horizonte vemos algo a brilhar num dos caminhos. se calhar é apenas um vidro partido. não interessa. optamos por esse. podia ter sido outra coisa qq q nos levou a optar. não interessa.
noutra altura tv tivessemos optado pelo outro caminho. não interessa.
esta capacidade de pensamento abstracto. esta capacidade de optar mm qd não sabemos onde vai dar.
é precisamente aquilo q falta para pôr as maquinas a pensar, ou seja, inteligência artificial. sem pensamento abstracto as maquinas vão ficar paradas na bifurcação até receberem dados precisos sobre cada um dos caminhos.
não me digas q agora vais ficar parada na bifurcação, em silêncio, até receberes dados precisos sobre cada um dos comentários aqui colocados.
é sempre bom ler os teus comentários/posts. senão vamos ficar todos parados na bifurcação. bjoca

 
At segunda-feira, 17 julho, 2006, Anonymous Pai Natal said...

Retira o que disseste Serendipityman antes que eu esmague essa boca caluniadora com o meu punho nórdico, seu pulha.
Respeitosamente
Pai Natal
Ps: Aqui em terras nórdicas o pessoal aprecia muito os teus textos.

 
At segunda-feira, 17 julho, 2006, Anonymous Anónimo said...

Yeats aqui... wow... isto melhora cada vez mais! Snark, é preciso mesmo ir à terra dele e respirar aquela magia... mudou a minha vida, acredita!

Zofia... e uma fada morre sempre que alguem deixa de acreditar nelas... nunca deixes de acreditar na magia das coisas lindas como aquilo que escreves.

jitos

Nuno

 
At segunda-feira, 17 julho, 2006, Anonymous jim said...

A minha avó paterna chamava-se Beatriz. Tinha os olhos verdes e o cabelo feito de pequenos cachos negros como os das nossas senhoras das igrejas antigas. Nas férias do Natal e da Páscoa, eu e a minha irmã, passávamos os dias de roda dela na cozinha da nossa casa, e entre as filhós e o bacalhau ouviamos as histórias do campo. Histórias de encruzilhadas e noites de lua cheia, de lobisomens e maus olhados mas tabém de amantes juntos pelo destino ou de homens que encontravam maravilhosos tesouros. O meu pai entrava e dizia "Mãe, olhe que assusta as crianças". A minha avó piscava-nos o olho como quem diz "Shhh. Depois eu conto o resto" e nos faziamos um sorrisinho a responder " Está bem avó, é o nosso segredo". Hoje li este texto e lembrei-me dela. De como me ensinou que a não ter medo das encruzilhadas da vida. Porque se às vezes encontramos bruxas, outras encontramos fadas. Só depende do que estamos à procura.

 
At segunda-feira, 17 julho, 2006, Anonymous Amarelo said...

Gostei deste, a espaços. Mas os espaços que gostei, gostei mesmo.


(Assim não parecemos "amiguinhos"...)


(Shhh, não contes...)

 
At terça-feira, 18 julho, 2006, Blogger João Mãos de Tesoura said...

Ah! L'amour!
Eu já fui príncipe... mas beijaram-me e virei sapo! :D
A vida é de facto algo que temos obrigação de aproveitar com muita paixão mas sem perdermos a razão.
Beijos e faz o favor de ser feliz!

 
At terça-feira, 18 julho, 2006, Blogger zaok said...

finess

 
At quinta-feira, 20 julho, 2006, Blogger Zofia said...

Jim, adorei o teu comentário. Concordo inteiramente contigo. Nao podia concordar mais. Tudo depende do que procuramos, e do que lutamos por. :)
Muitos beijos.

 
At quinta-feira, 20 julho, 2006, Blogger Zofia said...

Joao maos de tesoura,
L' amour, exacto ;)
Beijinhos.

 
At quinta-feira, 20 julho, 2006, Blogger Zofia said...

Anonymous Nuno ;)
Adorei o que escreveste...
Beijinho bem grande.
Nao vou deixar que mais nenhuma fada morra.

 
At quinta-feira, 20 julho, 2006, Blogger Zofia said...

Snark, com vidros partidos ou sem eles, devemos seguir sempre a luz ;)
Beijinho grande.
Gosto muito dos teus comentários.
Só nao percebi o teu primeiro, quando dizes que ao contrário de mim, sobes aos ombros dos gigantes... :)
Beijos.

 
At quinta-feira, 20 julho, 2006, Anonymous Anónimo said...

pronto... eu passo a assinar Nuno Poetry para deixar de ser anonymous... LOL...

 
At sábado, 22 julho, 2006, Anonymous o cavaleiro que anda de bus said...

Ajuda-me a quebrar este ciclo que criei em mim. Estende-me a mão!
Mostra-me que é real, ainda, o sonho... E que vale a pena empreendê-lo!
Olha-me nos olhos e transporta-me para mim! Segreda-me em amor:
- "Shhh, amor! Não temas! Pois marcámos este encontro há muito tempo, lá nas estrelas!"
Trazes-me de volta à vida, ao amor, à luz! Celebremos e acordemos quem pudermos...
E depois, ao fim do dia, deixa-me pousar a cabeça no teu colo, e reencontrar-me de novo!

(Porque também eu preciso de voltar a acreditar...
Não que me tenha esquecido, mas porque hoje estou triste com os humanos e ainda dói...)

 
At segunda-feira, 07 agosto, 2006, Blogger sininhuh said...

porque é tão bom kdo voltamos a acreditar...

 
At terça-feira, 12 setembro, 2006, Blogger Lavínia Matos said...

Adorei este texto, tem um toque mágico de alguma inocência. Muitos parabéns, escreves muito bem.

 

Enviar um comentário

<< Home