5.16.2006

Sentir borboletas no estomago, é tão bom


As pessoas que se fecham às 24 chaves, incomodam-me.
Sorrir a 180 graus, é tão bom.

Diz-me porque te prendes tu a uma balança?
A uma lista de prós e contras?

Porque é que calculas tudo, ao mais último detalhe?
E calas o teu coração, quando ele é o único a dizer-te o que te faz feliz?

Os teimosos incomodam-me. Os que não querem ver. Os que optam por dormir sobre o assunto. Os que tentam adiar. Os que escolhem não crescer. Os que têm medo de se magoar. Os que não se descontrolam. Os que preferem perder do que arriscar.

Incomodam-me os que preferem as qualidades do método romano contra o calor. Sim, acho que é isto. Os que preferem manter a casa fechada contra o calor de Agosto para que o ar vivo e quente da rua não entre. E que só abrem as portas de par em par à noite, para entrarem os ventos.

E depois, o que fazes se um dia parar a ventania?

8 Comments:

At terça-feira, 16 maio, 2006, Anonymous Ricardo Araújo said...

aí,ele foi tarde demais..........
eu já cheguei tarde de mais uma vez.........
gostei muito dessa analogia com o método romano...

 
At terça-feira, 16 maio, 2006, Anonymous R. said...

"Morre lentamente
quem se transforma em escravo do hábito,
repetindo todos os dias os mesmos trajetos, quem não muda de marca
Não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente
quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente
quem evita uma paixão,
quem prefere o preto no branco
e os pingos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções,
justamente as que resgatam o brilho dos olhos,
sorrisos dos bocejos,
corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente
quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho,
quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho,
quem não se permite pelo menos uma vez na vida,
fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente
quem não viaja,
quem não lê,
quem não ouve música,
quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente
quem destrói o seu amor-próprio,
quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente,
quem passa os dias queixando-se da sua má sorte
ou da chuva incessante.
Morre lentamente,
quem abandona um projeto antes de iniciá-lo,
não pergunta sobre um assunto que desconhece
ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.

Evitemos a morte em doses suaves,
recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior
que o simples fato de respirar. Somente a perseverança fará com que conquistemos
um estágio esplêndido de felicidade."


Pablo Neruda

 
At terça-feira, 16 maio, 2006, Anonymous A vaca que ri said...

quando parar a ventania eu abro as portadas.

Beijinhos

 
At terça-feira, 16 maio, 2006, Anonymous Hugo said...

Borboletas não, mariposas! Ainda hoje me dá um arrepio quando ouço... :P

Na Baixa do Sapateiro
Ary Barroso

Na Baixa do Sapateiro eu encontrei um dia
A morena mais frajola da Bahia
Pedi-lhe um beijo, não deu
Um abraço, sorriu
Pedi-lhe a mão, não quis dar, fugiu

Bahia, terra da felicidade
Morena, eu ando louco de saudade
Meu Senhor do Bonfim
Arranje outra morena igualzinha pra mim

Oh! amor, ai
Amor bobagem que a gente não explica, ai, ai
Prova um bocadinho, ô
Fica envenenado, ô
E pro resto da vida é um tal de sofrer
Ôlará, ôleré

Ô Bahia
Bahia que não me sai do pensamento
Faço o meu lamento, ô
Na desesperança, ô
De encontrar nesse mundo
Um amor que eu perdi na Bahia, vou contar

Ô Bahia
Bahia que não me sai do pensamento...

Um beijinho,
Esta canção fica aqui guardada num cantinho especial. ;)

Hugo

 
At quarta-feira, 17 maio, 2006, Blogger [ Top 3 ] Crominho said...

Estou a gostar cada vez mais dos teus posts. Fazem pensar.

De qualquer forma, os que nao arriscam, nao evoluem numa determinada area da sua vida por nao obterem o conhecimento da perda e do fracasso. Nao precisas alertá-los pois basta-lhes olhar para o espelho para descobrirem o que lhes falta. No entanto, quando arriscarem, pode ser que seja demasiado tarde para serem felizes, mas terao finalmente tomado o gosto da novidade.

A ver se nao me vicio no teu blog.

 
At quarta-feira, 17 maio, 2006, Blogger João said...

"Sentir borboletas no estomâgo". Não conhecia a expressão, mas é deliciosa.

 
At quarta-feira, 31 maio, 2006, Blogger vela ao vento said...

AIIII....Isto é uma tipica expressão de girl....

Como me identifico com esta tua reflexão...

Não entendo como é possivel alguém fechar a porta da vida...é algo em que tenho pensado ultimamente...

´Sortudos´...somos Nós...que fazemos pela Vida ! ;)

 
At quarta-feira, 31 maio, 2006, Blogger Zofia said...

Olá Vela ao Vento,
Quem nada tem, nada pode perder. Alguém muito importante disse isto uma vez e faz muito sentido. Há pessoas que preferem não lidar com a perda. Eu prefiro tentar ter tudo e perder tudo se assim tiver de acontecer, do que nunca chegar a ter.
São maneiras diferentes de viver a vida.
Eu vou continuar a ser assim. Tu vais continuar a ser assim. E eles vão continuar a ser assim. ;)
Beijinho grande, bem vinda ao meu blog. Tenho ido ao teu também. :)

 

Enviar um comentário

<< Home