3.14.2006

E se nos cansarmos do mesmo lugar?

Põe a tua mão no meu cabelo e brinca com ele. Não desejo mais nada.
Mas vai alterando os movimentos, senão começas a fazer parte de mim e deixo de te sentir. Passas a ser eu, e eu não me amo.

23 Comments:

At terça-feira, 14 março, 2006, Blogger Zofia said...

No sentido em que eu não me posso casar comigo mesma.
Ok. Estou cada vez pior. Ehehehe...

 
At terça-feira, 14 março, 2006, Blogger Luisa Seabra said...

hum...assim está melhor...mas visto assim, podes sempre casar com quem te afagar o cabelo, ehehehehe!
(ó pra mim casamenteira!!!)

 
At terça-feira, 14 março, 2006, Anonymous joão said...

As drogas não são solução, a sério! Larga-as! :-)

 
At terça-feira, 14 março, 2006, Blogger Zofia said...

Está bem, eu vou tentar deixar de beber coca-cola. ;)
Mas e saltar à corda, posso?

 
At terça-feira, 14 março, 2006, Anonymous Bru said...

Fico sem palavras quando leio as tuas... sabias?

 
At terça-feira, 14 março, 2006, Anonymous joão said...

Pois, pois....Podes...mas não abuses! Olha os pesadelos com moscas! :P ;)

 
At terça-feira, 14 março, 2006, Blogger Mak, o Mau said...

Acho mal este tipo de pensamentos vedados aos carecas...

 
At terça-feira, 14 março, 2006, Blogger Luisa Santos said...

Lembro-me da minha irmã dizer-me, numa das minhas mil e uma queixas a propósito da rotina: “mas cada dia igual ao outro tem alguma coisa de diferente. O Luís disse uma palavra nova hoje.”
Não me convenceu totalmente, mas fiquei feliz com a ideia de que a minha irmã é feliz na rotina dela. Talvez porque os ritmos e os movimentos mudam.

 
At terça-feira, 14 março, 2006, Blogger Zofia said...

Escrevi o que escrevi. Mas eu gosto de rotinas. :)

 
At terça-feira, 14 março, 2006, Blogger Luisa Santos said...

Sempre gostei de amarelo. Desde pequena, exigia (do alto dos meus 5 anos) pijamas amarelos, o quarto amarelo, ténis amarelos. Não me imagino sem estar rodeada de objectos amarelos. Porque são sempre objectos diferentes. Cada um tem o seu movimento, a sua expressão. Não há movimentos nem tons repetidos. Ou já não suportaria tal cor.

 
At terça-feira, 14 março, 2006, Blogger Zofia said...

Acho que é desta que me internam.

 
At terça-feira, 14 março, 2006, Blogger Zofia said...

Por isso é que te adoro amiga. Amarela.

 
At quarta-feira, 15 março, 2006, Anonymous Angel_martins82 said...

Se gostas k te passem o cabelo a ão pelo abelo, experimenta ser tu mesma a passa-la, pode ser k se a passares com movimentos, te começes a amar....simplesmente.....

 
At quarta-feira, 15 março, 2006, Blogger Joao de Portugal said...

Aaaaaaaa.eu tenho a certeza de que a Zofia gosta de si própria angel.Acho q não entendeste o q ela quis dizer.penso q quis transmitir o desgaste da rotina.se a tua miúda te afagar (como diz a luisa seabra incessantemente e semp no braço,imagina,no início tu curtes mt,deps vais te habituando à sensação,e deps é como se isso já fizesse parte do teu corpo.perdes a sensibilidade,ao limite.e ela passa a fazer parte do teu corpo.e tu já não a amas,pq ela é o teu corpo.pelo q eu entendi este poema não tem nada a ver c/ amor próprio.tu amas a tua namorada,tu casas com ela.não te podes casar contigo,logo não te amas.acho q foi mais isto q a zof quis passar.mas tb posso tar errado.abraço

 
At quarta-feira, 15 março, 2006, Blogger Zofia said...

Isso mesmo, João de Portugal. :)
Beijinhos a todos.

 
At quarta-feira, 15 março, 2006, Blogger Caroço said...

Se não gostares de ti, quem gostará?

Se gostares de ti, quem não gostará?

 
At quinta-feira, 16 março, 2006, Blogger Luisa Seabra said...

Eu não gosto de rotinas...gosto de rituais, tem a sua diferença...de manhã quando acordo faço sempre as mesmas coisas e com a mesma ordem, mas devez emquando acrescento uma novidade exactamente para não ser rotina.
O que é bom e nos faz sentir bem é sempre bem vindo, mas se se torna rotineiro deixamos de lhe dar importância.
Por ex: um casal q more junto, pode ter o ritual de tomar o pequeno almoço juntos todas as manhãs. Mas para q não seja rotina, um dia podem ler o jornal, outro dia ouvir música e dançarem enquanto preparam o pequeno almoço, outro dia atirarem com tudo q está em cima da mesa e dar-lhe "outro uso...".
O ritual está lá, mas longe de ser rotineiro!! ;P
Mas se todos os dias se sentam calados à mesa, comem e saem para o trabalho, aí é rotina, e na minha opinião no amor a rotina é como um ácido...vai corroendo!

 
At quinta-feira, 16 março, 2006, Anonymous Mestre André said...

ó sofia, e se o tipo magoar com as suas ulhas compridas?

Já dizia o Alberto Uma-Pedra, tudo é relativo.

 
At quinta-feira, 16 março, 2006, Blogger Zofia said...

Se tiver unhas compridas, corta-as. ;)
Mas sim, uma ode à relatividade. ;)

 
At quinta-feira, 16 março, 2006, Blogger Zofia said...

Amar ou não amar, eis a questão. Não é, William?

 
At quinta-feira, 16 março, 2006, Anonymous joão said...

Unhaca ou manicure, eis a questão

 
At sexta-feira, 31 março, 2006, Anonymous Leninha said...

amo o teu flog

 
At domingo, 02 abril, 2006, Blogger Zofia said...

Que és, Leninha? Mais uma leitora desconhecida do meu blog? Seja bem vinda. :)

 

Enviar um comentário

<< Home