3.03.2008

Este texto é para ti, Susana

Ela é um ano e dois meses mais velha do que eu. Eu tinha 4 anos quando nós nos conhecemos. Ela tinha o cabelo pela cintura, castanho e liso. Eu tinha o cabelo pelos ombros, normalmente separado em duas partes com dois totós vermelhos. Conhecemo-nos debaixo da mesa da cozinha, que ficava encostada a uma parede com azulejos azuis, e onde eu passava muito tempo porque gostava da sensação de ter um tecto por cima, e no qual pudesse tocar.
Tinha acabado de chegar de Faro, onde morei dos dois aos quatro anos, e fixámo-nos em Lisboa. Eu passei a morar no 3º C, na casa da minha avó que sempre tratei por mãe. Ela morava no 1º C e era filha da porteira. Chamava-se Susana Isabel da Silva Amaral e tinha primos com piolhos. Eu não gostava do Benfica porque o pai da Susana não a deixava brincar comigo, dizia a tudo que não quando o Benfica perdia. E o Benfica perdia muitas vezes. Eu não gostava dos primos dela que tinham piolhos. Volta e meia ela era levada pelos pais para a terra que se chamava Viseu para ir ao aniversário de um dos 15 primos que tinham piolhos.
Eu tive piolhos. Agora sei que os piolhos são insectos sem asas, de cor escura, pequenos, que se alimentam exclusivamente de sangue humano. Agora sei que os ovos dos piolhos são endurecidos e de cor branca tipo pérola e são chamados de lêndeas. São depositadas nos fios de cabelo, próximos do couro cabeludo, e deles nascem as ninfas que quando adultas depositam cerca de 80 ovos antes de morrer. Quando eu tinha 4 anos, as lêndeas não eram outra coisa senão os filhotes irrequietos dos piolhos, que gostavam muito de viajar, saltando facilmente de cabeça em cabeça. Nunca me importei de ter piolhos. Aliás, até gostava da extra atenção da minha mãe quando me revistava o couro cabeludo. Às vezes, e isto nunca lhe confessei, fingia ter comichão aqui e ali.
A Susana estava sempre presente. Lembro-me de brincar com ela e com os meus irmãos com legos e carrinhos. De nos construírem uma casa feita de lençóis na sala, presos por molas. Tendas anexadas a tendas. De nos sentarmos quietas e ansiosas pelo espectáculo de fantoches no beliche dos meus irmãos. De chorar desalmadamente quando o meu irmão Pedro incorporando o papel de cowboy maldito queimava os meus índios, depois de atados a paus e rodados sobre uma fogueira, tal espeto de javali grelhado sobre brasas. E da Susana deliciar-se a ver-nos a brincar, porque dizia que preferia ver do que estragar alguma coisa. Lembro-me do meu irmão Bruno me torturar com cócegas quando me ia buscar à escola primária nº 2 da Pontinha. Lembro-me da Susana ter contado à minha avó que o Marcos me tinha dado um beijinho na boca, e de eu ter sido obrigada a lavar os dentes, os lábios e a língua com sabão azul e branco, quando o beijinho na boca fora na verdade um leve e tímido encostar de lábios muito juntos e esticados. Lembro-me de lhe contar estórias inventadas à pressão só para a distrair, porque ela estava triste. Lembro-me dela ser canhota e eu achar muita piada. E de com as nossas mãos termos feito um carro viajar até ao futuro, passando com o carrinho perto da rota de fios de algodão ensopados em álcool, e depois incendiados pelo meu irmão quase pirómano. Lembro-me de querer ser bombeira. E ela polícia. Lembro-me de partilhar todos os meus brinquedos com ela. De andar de bicicleta à volta do quarteirão, por turnos. Primeiro ela. Depois eu. Depois ela. Depois eu. E o meu Pai e os meus irmãos correrem atrás para que se caíssemos fossemos agarradas. Lembro-me dela a tapar a boca com as duas mãos, de ficar vermelha e parecer que podia explodir a qualquer segundo, e de me implorar que eu parasse de contar piadas porque ela não conseguia respirar se se risse assim tanto. Lembro-me de lavarmos as duas as roupinhas das nossas bonecas no tanque. Em dois tanques pequenos, feitos ao nosso tamanho, e que a minha mãe comprou para nós. Lembro-me de nos esticarmos para pendurar as roupas nos varais do 1º C. Lembro-me de ficarmos as duas na varanda do 3º C a olhar para o prédio alto e cheio de janelas iluminadas que ficava depois do descampado, onde eu costumava colher flores com a minha avó. E eu dizia-lhe frequentemente que eu ainda havia de morar naquele prédio de reis e rainhas, quando fosse crescida. E que a levava comigo. Lembro-me de lhe dizer, agora eras a policia e eu era o ladrão e tu tentavas prender-me porque eu tinha roubado as maçãs da mercearia do senhor Mário e da senhora Odete. Ela sempre quis ser polícia. Eu sempre quis ser um ladrão.
Lembro-me de tanta coisa. De a ter convencido a brincar às cabeleireiras na sala da casa da minha avó que sempre tratei por mãe. Ela, com a voz fina e instável de 5 anos, perguntava-me pela terceira vez, ó Sofia, não vais cortar a sério, pois não? E eu dizia-lhe, fica descansada que a tesoura é de brincar. Mas vira-te para a frente. Vira-te para a frente senão não brinco mais contigo. E ela virava-se para a frente. E eu cortar-lhe-ia o cabelo pelas orelhas. E ela agradecer-me-ia, porque assim ficava mais bonita. Sempre tive a certeza de que se eu lhe dissesse, faz isto, faz aquilo, senão nunca mais sou tua amiga, ela fazia. Uma amizade assim nunca mais tive.
Agora moro no 1º B desse prédio que não tem reis nem rainhas, a senhora Odete morreu com um cancro, tu moras em Viseu e trabalhas numa fábrica de material de automóvel. Mas eu, quando vou visitar a minha avó, continuo a olhar da varanda do 3º C para baixo, e procuro no varal as roupas das nossas bonecas penduradas. E por vezes, quando volto para minha casa, engano-me e vou bater ao 1º C. Vamos andar de bicicleta. Vamos vestir e pentear as bonecas. Vamos brincar com plasticinas. Vamos cantar ao microfone. Vem brincar comigo, Susana, senão nunca mais sou tua amiga.

22 Comments:

At quarta-feira, 24 maio, 2006, Blogger Ambientalistas da Amadora said...

MASSA CRÍTICA
26 MAIO 2006

18H00 – LISBOA, Marquês de Pombal
18H30 – PORTO, Praça dos Leões

A Massa Crítica (também designada de Bicicletada) está inserida no contexto de um movimento internacional de nome “Critical Mass”, iniciado em São Francisco há já 10 anos. A ideia consiste em realizar um passeio lúdico e reivindicativo de bicicleta pelas ruas da cidade. Neste passeio os participantes divulgam de maneira criativa o uso de bicicletas e protestam contra o uso abusivo de transportes poluentes.

No mês de Abril dezenas de ciclistas irão pedalar em Lisboa e Porto pela Liberdade e Revolução nas Estradas, incentivando o uso de bicicleta como meio de transporte ecológico.

Objectivos:
1. Divulgar e promover o uso da bicicleta como meio de transporte;

2. Criar condições favoráveis ao uso da bicicleta como meio de transporte;

3. Tornar mais ecológicos os sistemas de mobilidade e transporte.

Resumo dos Princípios:
Não há hierarquia de cargos. As decisões são tomadas por consenso. A Massa Crítica é um movimento apartidário e não comercial. A participação é aberta a qualquer pessoa ou entidade que esteja de acordo com os objectivos do movimento. Para participar na Massa Crítica basta comparecer no local combinado, no dia e hora marcados com a sua bicicleta, skate ou patins. Não é preciso fazer qualquer tipo de inscrição ou pagar qualquer taxa. Os roteiros são decididos na hora e podem ser realizados por todos, inclusive principiantes. Pode trazer seus próprios panfletos, cartazes ou faixas ou usar os já existentes. Se é automobilista e não pode participar da Bicicletada pedalando, o seu apoio também é bem-vindo, seja divulgando a causa, seja respeitando o ciclista no seu dia a dia.

Para mais informações visite
http://massacriticapt.net

 
At quarta-feira, 24 maio, 2006, Blogger Zofia said...

Senhores ambientalistas da Amadora, sejam muito bem vindos a este blog.
Nos próximos vossos comentários, queiram fazer o favor de inserir uma nota sobre o post. Obrigada :P e boa bicicletada.

 
At quarta-feira, 24 maio, 2006, Blogger Joao de Portugal said...

tá emotivo, zofs. mt emotivo. curti bué o final, acabaste em beleza - vem brincar comigo susana senao nunca mais sou tua amiga. tá lindo - e dizes isso pq ela reagia smp a essa chantagem, tá mt louco o texto....pah a sério, curti mt....... tá sensível, tem pormenores lindos, tipo pegares no 1º C e no 3º C, no prédio que afinal não tinha nem reis nem rainhas....... zofia, tu tens talento. e digo-te pq mereces,bjokas.

 
At quarta-feira, 24 maio, 2006, Anonymous Ricardo said...

Não brinco mais contigo...fizeste-me chorar...Beijos!

 
At quarta-feira, 24 maio, 2006, Blogger Zofia said...

;) Ricardo :) Beijos.

 
At quarta-feira, 24 maio, 2006, Blogger João said...

Simples, sincero e enternecedor, Sofia.
Adorei!
Bjs

 
At quinta-feira, 25 maio, 2006, Blogger Ana Nc said...

Este blog é uma delícia... :))

 
At quinta-feira, 25 maio, 2006, Blogger X said...

Estupida pá... entraste para o mesmo patamar do Morrissey
X

 
At quinta-feira, 25 maio, 2006, Blogger Mak, o Mau said...

Toda a gente sabe que não há cabeleireiros decentes em Viseu miúda. Pega por aí e pode ser que a tua amiga venha até cá, para mandarem saudades ;)

 
At quinta-feira, 25 maio, 2006, Blogger Zofia said...

Mak, ela é como eu nessas coisas, não liga a cabeleireiros. Tenho de pensar noutra coisa. ;)

 
At quinta-feira, 25 maio, 2006, Anonymous Anónimo said...

Linda Sofia, sabes... eu venho cá sempre, todos os dias clicko em cima do link dos favoritos e abro este teu delicioso blog, sempre à espera de mais um texto fantástico, uma frase inesquecivel, ou um poema perfeito... E todos os dias te leio, com o mesmo sorriso, com a mesma vontade, com a mesma intensidade... Nem sempre comento, nem sempre tenho inspiração para o fazer, mas nunca deixo de me deiciar com a tua escrita. Hoje apeteceu-me dizer que estou sempre presente e que adoro o que escreves e que te adoro a ti... Beijo... Marta.
P.S. - Tenho de te levar a ver umas bandas, pode ser que assim consigamos de uma vez por todas beber aquele café ou aquele copo (de coca-cola) que tantas vezes combinamos nos nossos encontros fugidios...

 
At quinta-feira, 25 maio, 2006, Blogger Zofia said...

Obrigada, Marta.
:) É verdade. Encontramo-nos sempre por acaso, no Pavilhão Atlântico, ou no Corte Ingles, ou em qualquer outro lado onde esbarramos. Manda beijos à Aissa e à Teresa, e sim, temos de combinar um copo, musical de preferencia ;)
Beijos.

 
At sexta-feira, 26 maio, 2006, Blogger X said...

Não leves a mal o facto de eu te ter chamado estúpida, simplesmente o parto o nariz a quem me faz chorar ou lhe parto o nariz com uma biqueirada ao estilo "old school south side"
X

 
At sexta-feira, 26 maio, 2006, Blogger Zofia said...

X ;)
Não levei a mal, porque percebi. ;) Mas fizeste bem em acrescentar o que disseste agora ;)
Beijinhos.

 
At sexta-feira, 26 maio, 2006, Blogger X said...

Já agora...em relaçao ao meu ultimo comment...eu nao tava lá muito católico, aliás, já recebi queixas de sobre comments que escrevi. para mim bikeiradas no nariz nao esgotam as hipoteses.
X

 
At sexta-feira, 26 maio, 2006, Blogger Zofia said...

E quem te falou sobre os comments, fez muito bem. Um beijinho para ele.
E outro para ti, porque sou simpática ;) e porque les o meu blog de vez em quando :)

 
At terça-feira, 11 julho, 2006, Anonymous João Malhão said...

=) O melhor amigo de infância é a demonstração de amor mais puro e incondicional que pode haver entre duas pessoas...
Tenho pena de me ter perdido dos meus melhores amigos de infância. Agora resta-me fazer o melhor que consigo com os melhores amigos do presente e fazer por não me esquecer do bom que foi com os do passado!:)
Texto espectáculo Sofia, mais uma vez a tocar no coração sem avisar! Força aí!***

 
At terça-feira, 11 julho, 2006, Blogger Zofia said...

Obrigada, Joao Malhao.
E nao da para reencontrares alguns? :)

 
At domingo, 01 junho, 2008, Anonymous san said...

Muito lindo, muito lindo. Fez-me lembrar da doce Anna Lucia, a quem eu também intimidava com o "ou não sou mais tua amiga". O bonito é que na infância mesmo a nossa prepotência é meiga.

Abraços brasileiros pra ti.

 
At sexta-feira, 03 julho, 2009, Blogger Diana Costa said...

posso ser tua amiga?

 
At terça-feira, 03 novembro, 2009, Anonymous Roque said...

Sofia, acabei de ler esta bela história, e confesso que fiquei emocionado. Meus parabéns.

 
At terça-feira, 03 novembro, 2009, Blogger Zofia said...

Obrigada, queridos. :)

 

Enviar um comentário

<< Home