1.16.2006

A eterna noite


A técnica de movimento é simples. Com o braço esticado para a frente leva-se a bengala para o lado da perna que está atrás. Dessa forma a bengala mostra sempre que a perna detrás pode ir para frente, que se pode dar o passo. Quando isso acontece, joga-se a bengala para o lado oposto, para o lado da perna que ficou para trás com o passo dado. Se a bengala esbarrar em alguma coisa, é só parar e estaremos a um passo do obstáculo. Desse modo, fica-se sempre atrás de um possível perigo.
Seria esta a minha forma de me mover entre as pessoas, no metro, nas ruas, dentro de casa. Não poderia guiar. E correr seria assustador. Pelo menos no início. Até habituar-me a viver sem uma coisa fundamental: a visão. Se eu fosse cega não teria dias. Só noites.
Muitas vezes dou por mim a fechar os olhos e a tentar fazer as coisas como eles as fazem. Sem ver. Quase uma culpa sinto, por vezes, por ter tudo tão facilitado. E se de repente nos vendassem os olhos? Como ir para o trabalho, à praia, surfar, sair à noite, ler um livro, escrever, ver um filme, pintar, combinar cores, como passear na rua sem ter medo dos carros, como correr porque estou atrasada, ou andar sem me preocupar com os buracos que as ruas possam ter, com as escadas íngremes, e os obstáculos inesperados? Como olhar para a cara das pessoas que eu amo, mais do que tudo? Como olhar para a cara do meu sobrinho e vê-lo crescer? Vê-lo sorrir. Olhar para mim. Mas as coisas passam por nós sem as vermos. Como os nossos teclados. Olha agora para o teu. Nunca reparaste nas letras F e J, ou no número 5? Existem pontos em relevo, que normalmente não vemos, porque não precisamos deles. Mas estes pontos são perfeitamente perceptíveis pelos dedos. E os cegos utilizam-nos para colocarem os indicadores e a partir daí, encontrarem todas as teclas que necessitam, e que nós, visuais, podemos ver. Facilmente.
E depois nós sentimo-nos tristes com coisas que são facilmente solucionáveis. É só querermos. E sermos positivos. Enquanto estamos preocupados com o nosso umbigo, e com as nossas tristezas, um mundo de coisas desfila pelos nossos olhos, sem as vermos. Olhamos sem ver. Se pensarmos bem, qual será a pior cegueira?

http://www.ad-awards.com/inc/video.swf?id=104

7 Comments:

At segunda-feira, 16 janeiro, 2006, Anonymous Ricardo said...

Queres me fazer chorar logo pela manhã?! Profundo, lindo, visão de um Mundo de q felizmente n fazemos parte...enfim, n existe justiça, pq se a houvesse...o Mundo era bem diferente!!! Beijo para ti!!!

 
At segunda-feira, 16 janeiro, 2006, Anonymous Frederico said...

Quando o mundo está escuro á tua volta procura uma luz ao fundo do túnel...agarra-a...anenha-a...e sorri porque tens algo brilhante em ti!!
O mundo é tão mais fácil ás cores...não é? ;)

 
At terça-feira, 17 janeiro, 2006, Blogger Mak, o Mau said...

Apesar de me apetecer, vou conter qq tipo de graçola sobre cegos e afins. Apesar daquele tipo que faz batuques com a bengala e pede no metro às vezes estar a pedi-las...


PS - No entanto, alerto para o cuidado a ter com as luzes ao fundo do túnel devido à probabilidade, mesmo que ínfima, de serem comboios...

PSS - Depois, repetem incessantemente que continuo um calhorda insensível

 
At terça-feira, 17 janeiro, 2006, Blogger Luisa Santos said...

insensível....a luz ao fundo do túnel tb pode ser um carro na auto-estrada ou na ponte. pois... nao tinhas pensado nisso. vê-se logo que não conduzes à noite na magnífica interminável ponte vasco da gama (sim, sim, lê com maiúsculas). brilhante o meu raciocínio, de facto. serve de desculpa dizer que estou com febre? (estou mesmo, raios da gripe, tosse, lenços e afins).
insensível.....

(1 momento para pensar se carrego no login and publish e arrisco-me a que os leitores do blog da Sofia pensem q sou uma idiota)

........

 
At terça-feira, 17 janeiro, 2006, Blogger Zofia said...

Que fique aqui bem esclarecido que a Luisa Santos é uma miuda impecavel. Muito mais do que isso. ADORAVEL. Bem mais do que isto...
Adoro-te amiga. Grande.
Beijo enorme.


(estou aqui a pensar se carrego no Login and Publish, porque tambem corro o risco de pensarem que sou uma lamechas.................)

;)

 
At sexta-feira, 20 janeiro, 2006, Blogger Himura said...

...que o dom da escrita toque todos...que assim seja...que seja o aço que corta o mundo...assim veja...que seja o todo que nunca vi.

 
At sexta-feira, 20 janeiro, 2006, Anonymous Mr.Utopia said...

O pior é a cegueira da atonia, aquela que nos impossibilita disntinguir a noite do dia...Gostei muito Zofia...:)

 

Enviar um comentário

<< Home